quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

“Uma gota de tinta no céu luminoso”

Esta imagem obtida pelo instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, mostra o brilhante aglomerado estelar NGC 6520 e a sua vizinha, a nuvem escura de forma estranha Barnard 86. Este par cósmico tem como pano de fundo milhões de estrelas situadas na região mais brilhante da Via Láctea – uma região tão densa em estrelas que quase nenhum pedaço de céu escuro pode ser visto na imagem. Crédito: ESO

Esta imagem obtida pela câmera Wide Field Imager, montada no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros instalado no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, mostra o aglomerado estelar brilhante NGC 6520 e a sua companheira, a nuvem escura Barnard 86, que nos aparece com a estranha forma de uma lagartixa. Este par cósmico tem como pano de fundo milhões de estrelas situadas na região mais brilhante da Via Láctea – uma região tão densa em estrelas que quase nenhum pedaço de céu escuro pode ser visto na imagem.

Esta parte da constelação do Sagitário é um dos mais ricos campos estelares em todo o céu – a Grande Nuvem Estelar de Sagitário. O enorme número de estrelas que ilumina a região de forma dramática enfatiza o breu de nuvens escuras como Barnard 86, que aparece no centro desta nova imagem obtida com o Wide Field Imager, um instrumento montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, instalado no Observatório de La Silla do ESO, no Chile.

Este objeto, uma nebulosa escura pequena e isolada conhecida como glóbulo de Bok [1], foi descrito pelo seu descobridor Edward Emerson Barnard [2] como sendo “uma gota de tinta num céu luminoso”. Barnard, um astrônomo americano, descobriu e fotografou inúmeros cometas, nebulosas escuras e uma das luas de Júpiter, entre outras contribuições importantes. Um observador visual excepcional e um astrofotógrafo atento, Barnard foi o primeiro a utilizar fotografias de longa exposição para explorar nebulosas escuras.



Este mapa mostra a rica constelação do Sagitário, que inclui o centro da Via Láctea e muitos aglomerados estelares e nebulosas. A maioria das estrelas que pode ser vista a olho nu numa noite escura encontra-se assinalada. A localização do aglomerado estelar NGC 6520 e da sua vizinha, a nuvem escura Barnard 86, está indicada com um círculo vermelho. Crédito: ESO

Através de um pequeno telescópio, Barnard 86 parece uma ausência de estrelas no céu, ou uma janela aberta para uma região do céu distante e mais limpa. Mas, na realidade, este objeto encontra-se em frente ao campo de estrelas -  trata-se de uma nuvem densa, fria e escura de pequenos grãos de poeira que bloqueiam a radiação estelar, fazendo com que a região pareça opaca. Pensa-se que se formou a partir dos restos de uma nuvem molecular que colapsou, dando origem ao aglomerado estelar próximo NGC 6520, que pode ser visto na imagem à esquerda de Barnard 86.

NGC 6520 é um aglomerado estelar aberto que contém muitas estrelas quentes, brilhando intensamente com uma cor azul-esbranquiçada, sinal claro da sua juventude. Os aglomerados estelares contêm geralmente alguns milhares de estrelas que se formaram todas à mesma época, o que significa que todas têm a mesma idade. Geralmente, tais aglomerados vivem vidas comparativamente curtas, da ordem das várias centenas de milhões de anos, antes de se separarem.

O incrível número de estrelas que existe nesta região do céu dificulta as observações do aglomerado, sendo por isso difícil obter muitas informações sobre ele. A idade de NGC 6520 é da ordem dos 150 milhões de anos, e tanto o aglomerado estelar como a sua companheira empoeirada parecem estar a uma distância de cerca de 6000 anos-luz.

As estrelas que na imagem parecem estar no interior de Barnard 86 estão na verdade à frente da nuvem, situando-se entre nós e a nuvem escura. Sabe-se que muitas nebulosas escuras ainda apresentam estrelas se formando em seu centro, embora ainda não esteja claro se o mesmo se passa em Barnard 86. Vemos este fenômeno na famosa Nebulosa da Cabeça de Cavalo (eso0202), no objeto Lupus 3 (eso1303) e, em menor grau, em outra das descobertas de Barnard, a Nebulosa do Cachimbo (eso1233). No entanto, a radiação emitida pelas estrelas mais jovens é bloqueada pelas regiões de poeira ao seu redor, fazendo com que estas estrelas possam ser observadas apenas no infravermelho ou em radiação de comprimentos de onda ainda maiores.

Esta imagem de grande angular mostra o campo de estrelas extremamente rico da Grande Nuvem Estelar de Sagitário, incluindo o aglomerado estelar NGC 6520 e a sua vizinha, a nuvem escura Barnard 86. A imagem foi criada a partir de dados do Digitized Sky Survey 2. Crédito: ESO/Digitized Sky Survey 2. Acknowledgement: Davide De Martin

Notas:

[1] Os glóbulos de Bok foram inicialmente observados pelo astrônomo Bart Bok nos anos 1940. Tratam-se de nuvens escuras muito frias de gás e poeira, e que frequentemente apresentam formação de novas estrelasem seus centros. Estes glóbulos são ricos em poeira que dispersa e absorve a radiação de fundo, de tal modo que são praticamente opacos à radiação visível.

[2] Citação de E.E. Barnard em Dark Regions in the Sky Suggesting an Obscuration of Light, Yerkes Observatory, Nov 15 1913






Fonte: ESO


Nenhum comentário: