terça-feira, 26 de março de 2013

Descoberto acelerador de partículas natural ao redor de Saturno

O campo magnético de Saturno torna-se um acelerador de partículas especialmente forte quando as partículas do vento solar atingem-se quase paralelamente.[Imagem: ESA]

Origem dos raios cósmicos


Há poucos dias, astrofísicos anunciaram ter finalmente comprovado que os raios cósmicos se originam nas distantes e retumbantes supernovas.

Enquanto isso, a sonda espacial Cassini cruzava por acaso com algo que parece ser uma lufada especialmente forte de vento solar atingindo Saturno.

Durante esse evento, os instrumentos da sonda detectaram partículas sendo aceleradas a energia ultra-altas, similares à aceleração que acontece ao redor das distantes e poderosas supernovas.

Isso é uma ótima notícia - já que não possuímos ainda a tecnologia necessária para viajar até uma supernova, a onda de choque que se forma quando o vento solar se choca com o campo magnético de Saturno, e provavelmente Júpiter, podem se tornar um laboratório inesperado para estudar o fenômeno de geração dos raios cósmicos bem na nossa vizinhança.

segunda-feira, 25 de março de 2013

A ascensão do quasares no Universo

O professor Michael Shull e o pesquisador David Syphers usaram o telescópio espacial Hubble para observar um quasar - o núcleo brilhante de uma galáxia ativa que age como um "farol" - para entender melhor as condições do Universo primordial.

© NASA/ESA/G.Bacon (ilustração de um quasar distante)

Os cientistas estudaram o material gasoso entre o telescópio e o quasar HS1700 6416 com um espectrógrafo ultravioleta acoplado no Hubble, projetado por uma equipe do Centro de Astrofísica e Astronomia Espacial em Boulder.

Durante um tempo conhecido como a "era de reionização do hélio" cerca de 11 bilhões de anos atrás, explosões de radiação ionizante de buracos negros nos núcleos de quasares retiravam elétrons de átomos primitivos de hélio. Isto ocorreu pouco depois do Big Bang.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Descobertas estrelas quase invisíveis próximas da Terra


Nêmesis

São as estrelas mais próximas do Sistema Solar descobertas em quase um século.

O par de anãs marrons foi descoberto por Kevin Luhman, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, usando dados do telescópio espacial WISE.

Ainda não é a tão procurada Estrela X, mas o binário estelar figura agora na lista das estrelas mais próximas de nós, ainda que não as possamos contemplar no céu.

Anãs marrons são estrelas cuja massa não é grande o suficiente para dar a partida no processo de fusão do hidrogênio.

Por isso, elas são relativamente frias e brilham muito fracamente, lembrando mais um planeta gigante como Júpiter do que uma estrela como o Sol.

Os astrônomos sempre especularam sobre a possível existência de um objeto de luz muito fraca orbitando o Sol, normalmente chamado de Nêmesis.

No entanto, Luhman concluiu que "podemos descartar que o novo sistema de anãs-marrons seja tal objeto, pois ele está se movendo muito rápido no céu para estar em órbita em torno do Sol."

Concepção artística do sistema binário de anãs marrons. [Imagem: Janella Williams/PSU]

sábado, 2 de março de 2013

O Cinturão de Asteroides em torno de Vega e Fomalhaut

Os astrônomos descobriram o que parece ser um grande cinturão de asteroides em torno da estrela Vega, a segunda estrela mais brilhante no céu noturno do norte. Os cientistas usaram dados do  telescópio espacial Spitzer da NASA e do telescópio da Agência Espacial Europeia Observatório Espacial Herschel, em que a NASA tem um papel importante.

O conceito deste artista ilustra um cinturão de asteróides em torno da brilhante estrela Vega. Evidência para este anel quente de detritos foi encontrado usando Spitzer da NASA Telescópio Espacial, ea Agência Espacial Europeia Observatório Espacial Herschel, em que a NASA tem um papel importante. Crédito da imagem: NASA / JPL-Caltech

sexta-feira, 1 de março de 2013

Poluição Luminosa e a Astronomia

Tóquio sem Poluição Luminosa.

Muitos de nós vivemos em aglomerados chamados de "cidade", o que por um lado é bom por vivemos em grupo (apesar de tão individuais), por outro é muito prejudicial, principalmente para os amantes da astronomia. Estamos falando sobre a poluição luminosa que impede a visualização de muitos objetos do céu noturno em regiões metropolitanas. Continua...

Base na Lua poderá ser construída com impressora 3D

Base na Lua construída com regolito e impressora 3D
O objetivo é reduzir ao mínimo o material a ser levado da Terra - a impressora 3D poderia ser usada para construir inúmeros blocos da base lunar. [Imagem: Foster+Partners]