quarta-feira, 29 de junho de 2011

II Anarco encontro do céu a Terra.

Monitores da Casa da Ciência de Campo Grande

Na sexta-feira passada (24/06) fomos até Piraputanga -MS para o nosso segundo encontro com os monitores e integrantes do projeto Anarco Pedagógicos Atemporais, foi o II Anarco Espacial "Mais Profunda do Céu á Terra".

Fomos até a chamada Furna dos Baianos, onde existem famílias remanescentes de escravos baianos que se alojaram na região por volta dos anos 40.

O objetivo foi claro: conciliar a Astronomia com a educação social ambiental consciente, e novamente vimos que, com a oportunidade de refletir sobre o cosmo, através de observações, acabamos refletindo também na vulnerabilidade de nossa espécie e da vida como a conhecemos.

Os sítios Arqueológicos daquela região sobreviveram milhares de anos, um tempo distante, mas, se olharmos para o céu, é um tempo desprezível. Saber dar o devido valor aos nossos ancestrais e ao nosso céu, o qual deve ter sido muito idolatrado por nossos ancestrais, é saber valorizar nosso passado e nosso futuro.

A observação ocorreu noite adentro. Vibramos quando a nossa anfitriã de 80 anos observou os anéis de Saturno pela primeira vez, e outro fato marcante, foi quando uma moça com cegueira noturna também teve essa oportunidade de visualizar Saturno pelo telescópio. São esses e outros motivos que fazem nossa viagem valer a pena.

Algo espetacular aconteceu na madrugada, um bólido ( meteoro que explode na atmosfera terrestre) surgiu no sudoeste, e com seu intenso brilho pode ser observado até de dentro das barracas.
Observamos um bólido parecido com este.
Na manhã de sábado fomos até a trilha interpretativa do Córrego das Antas, onde tivemos grandiosas aulas ao ar livre, interpretando o que a mata tinha a nos dizer. Vimos uma região onde a selva estava se reabilitando e se reerguendo e também uma mossoroca, onde dificilmente a selva se reerguerá sozinha.

Por fim, visitamos um Sítio Arqueológico, onde estudos dizem que sua existência é de cerca de 3 mil anos. Uma enorme galeria, no alto da cerra, cercada por petrogrifos, pilões e alguns artefatos. Tudo foi utilizado e pintado por um povo semi-nômade, que caçavam e coletavam por aquelas áreas, e, talvez, faziam até rituais para os astros. O Projeto Anarco pedagógicos Atemporais, junto com a população local, luta incasavelmente para que este Sitio Arqueológico seja preservado e devidamente tombado.

O projeto anarco ressaltou que desenvolve esse projeto (com alunos de rede pública) sem nem uma ajuda financeira.

Esse encontro foi excelente e com certeza virão outras oportunidades de nos reencontrarmos com o céu e a terra.








Um comentário:

Luiz Eugenio disse...

Pessoal: no dia 29 de julho estaremos realizando mais uma anarco espacial aqui na furna. III Anarco Espacial 'Mais profunda ainda-Chuva de meteoros'. Será uma bela noite.... aguardamos vcs...